RSS Feed

Monthly Archives: Maio 2013

Belo Monte, Anúncio de uma Guerra

Posted on

 

 

Documentário sobre a maior obra de engenharia do país da atualidade, na qual depoimentos a favor e contra Belo Monte apontam para um desastre do ponto de vista ambiental, econômico e social.

Belo Monte é uma usina hidrelétrica que o governo pretende instalar no coração da Amazônia, na Volta Grande do rio Xingu na cidade de Altamira, Pará. O documentário “Belo Monte, Anúncio De Uma Guerra” é um projeto independente e coletivo a respeito desta obra, que foi filmado durante 3 expedições à região do rio Xingu. Trata-se de material riquíssimo sobre os bastidores da mais polêmica obra planejada no Brasil, com imagens de alto impacto e entrevistas com os principais envolvidos na obra, incluindo lideranças indígenas (como o Cacique Raoni e Megaron), o Procurador da República (Dr. Felício Pontes), o Presidente da FUNAI (Márcio Meira) e políticos locais a favor da construção da Usina.

Belo Monte é um projeto de aproveitamento hidrelétrico em terras indígenas. O projeto contempla um complexo de pelo menos 4 barragens, 2 casas de força, 27 diques, 3 canais de enchimento, 7 canais de transposição e 1 gigantesco canal de derivação que pretende desviar o rio Xingu para reservatórios que alagariam cerca de 516 km² da Floresta Amazônica e propriedades particulares onde o cultivo predominante é o cacau.

Nenhuma terra indígena seria alagada. Entretanto, Belo Monte transformaria os 100 km da Volta Grande do Xingu em um trecho de vazão reduzida e isolado, uma vez que os paredões de concreto da barragem barrariam as aldeias da cidade de Altamira. Com isso, os indígenas não mais poderiam ir de canoa até Altamira, uma pratica frequente e necessária para que recebam tratamentos médicos.

Além disso, a construção da barragem é uma ameaça aos peixes de peixes da Volta Grande do rio Xingu. Nove espécies de peixes raros correm o risco de extinção: Aequidens michaeli, Anostomoides passionis, Astyanax dnophos, Ossubtus xinguense, Parancistrus nudiventris, Pituna xinguensis, Plesiolebias Altamira,Simpsonichthys reticulatus e Teleocichla centisquama.

Como se não bastasse essa tragédia, o peixe representa 90% da proteína ingerida pelo povo local e é este dado que relaciona Belo Monte a um potencial genocídio. Isto porque, especialistas e caciques tradicionais prevêem que, ao se reduzir a vazão do rio na Volta Grande, os peixes morrerão, pois o rio é pedregoso e tem a sua temperatura elevada em muitos graus quando seu nível está baixo. Por esse motivo, também a Associação de Pescadores de Altamira é contra o empreendimento. A falta de peixes terá grande impacto na economia local e poderá gerar situações de fome. Atualmente, o empreendedor e o governos federal ignoram por completo essa possibilidade.

O aumento populacional nas cidades de Altamira, Anapu, Brasil Novo, Vitória do Xingu, Senador José Porfírio a Uruará representa um dos mais problemáticos impactos socioambientais do empreendimento, uma vez que o empreendedor não cumpriu as condicionantes básicas que preparariam tais municípios para receber a onda migratória. Hoje já é possível constatar os impactos sofridos por estas cidades em decorrência da já iniciada migração ocasionada por Belo Monte, tais como: aumento no índice de violência, prostituição, alcoolismo e tráfico de drogas. Se formado o lago de Belo Monte, tais municípios também sofrerão com aumento de doenças de veiculação hídrica e por insetos, tais como dengue e malária.

“Com Belo Monte Altamira poderá se tornar uma península doente rodeada por um lago podre sem peixes. (…) Pessoas famintas, sem moradia, violentas e prostituídas… É um destino triste para a população local”.

Don Erwin Klauter – bispo da prelazia do Xingu.

Apesar de seu alto custo e grandiosa dimensão, Belo Monte é considerada um projeto de engenharia ruim e extremamente ineficiente. Embora possua um potencial de 11.182 Megawatts, Belo Monte não produzirá mais do que 4.000 Megawatts devido à sazonalidade do rio Xingu. Além disso, as linhas de transmissão da energia gerada na usina nunca foram orçadas e seu custo, assim como seu traçado, ainda são uma incógnita para os brasileiros. Especialistas prevêem que poderá custar o mesmo valor da obra, ou seja, cerca de R$ 30 bilhões.

Impactos socioambientais foram subdimensionados pelo empreendedor, de modo que, ao contrário do que os defensores da usina divulgam, a energia gerada por Belo Monte é, na realidade, caríssima. Este alto preço se dá, igualmente, por força da alta importância do rio Xingu como fonte de água, alimentos e, principalmente, devido à preciosidade dos povos ancestrais que dele dependem para sobreviver.

Então por que construir Belo Monte?

Mais informações: http://www.belomonteofilme.org

Somos Viento (2013)

Posted on

Somos Viento es un documental que muestra los procesos de resistencia  de campesinxs por causa del megaproyecto del “Parque eólico San Dionisio del Mar” en el Istmo de Tehuantepec, Oaxaca (México). A pesar de que la energía eólica forme parte de las llamadas “energías verdes” desde este documental se muestra como entidades transnacionales se suman a las tendencias del “capitalismo verde” realizando megaproyectos que no tienen en cuenta los territorios y sus comunidades. A través de los testimonios de las comunidades de de San Dioniso del Mar, San Mateo del Mar, Alvaro Obregon y Juchitan se desmantelarán los entramados del “desarrollo verde”.

 

Link: http://somosvientodocumental.wordpress.com/

II Coloquio del Centro de Investigaciones y Estudios en Teoría Poscolonial

Posted on
El Centro de Investigaciones y Estudios en Teoría Poscolonial convoca al envío de resúmenes para su II Coloquio, Materialidades (Pos)coloniales y de la (de)colonialidad latinoamericana. Los mismos deberán abordar algún aspecto de la materialidad colonial, poscolonial o de la (de)colonialidad en América Latina, desde cualquier disciplina de las humanidades o ciencias sociales.
 
 
 
Nos interesan especialmente aquellos trabajos que puedan mostrar el impacto de la cultura material en la articulación de perspectivas críticas tanto sobre situaciones coloniales como poscoloniales y decoloniales, y también aquellos trabajos que indaguen en las tensiones que emergen al yuxtaponer representación/discurso y materialidad en situaciones (pos)coloniales y (de)coloniales en nuestra región.
 
 
 
Proponemos reflexionar sobre las siguientes preguntas: ¿Qué es lo que se entiende por cultura material en nuestras respectivas disciplinas y abordajes?  ¿Cómo es que la cultura material en cualquiera de sus formas, interpela, atraviesa y tensiona los discursos crítico teóricos-sobre el colonialismo y la colonialidad en América Latina? ¿Qué perspectivas crítico-teóricas emergen del diálogo entre abordajes filosóficos y de análisis de discurso con aquellas disciplinas marcadas por la materialidad de sus objetos de estudio?
 
 
 
Invitamos al envío de resúmenes que dialoguen con los siguientes ejes:
 
 
●  Estado de la cuestión de los estudios de la cultura material en el contexto
del debate colonial,   poscolonial o decolonial
 
●  Materializaciones de las colonialidad en la vida social y cultural: estratificaciones sociales, políticas e históricas
 
●  Cuerpos (pos)coloniales: estéticas del horror, del terror y la violencia en el cine, la literatura, el arte, la arquitectura de América Latina
 
●  Materialidades artísticas: obras visuales, escritas, artefactos culturales, relatos ilustrados, poesías, diseños gráficos y sus despliegues desde el siglo XVI hasta el XX. Desafíos conceptuales y retóricos a la colonialidad instalada en el campo cultural de América Latina
 
●  Materialidad y religión en situaciones (pos)coloniales y decoloniales
 
●  Cuerpos enterrados. Recuperación de restos humanos indígenas. Materialidad y políticas de memoria, verdad, justicia
 
●  Colonialidad, territorio y sujetos en discursos sobre miedo y seguridad en Latinoamérica
 
●  Lugares de memoria de la colonialidad: lugares comunes de la nación, ciudades (pos)coloniales, artefactos culturales, monumentos y lugares de (des) memoria
 
●  Abstracciones de la materialidad (pos)colonial en las disciplinas
  
 
 
Invitados confirmados
 
 
ALEJANDRO DE OTO
INCIHUSA CONICET Mendoza, CIETP
 
JOSÉ ANTONIO MAZZOTTI
Tufts University, Estados Unidos, CIETP
 
GUSTAVO VERDESIO
University of Michigan, Estados Unidos, CIETP
 
MARIELA RODRÍGUEZ
FLACSO, UBA, CONICET
 
 
 
Enviar resúmenes a  cietp_unr@ hotmail.com
 
En un archivo adjunto (.doc o .rtf, por favor no enviar archivos en .docx),
guardado bajo título APELLIDODEL AUTOR.doc o APELLIDODEL
AUTOR.rtf (por ej. González.doc o González.rtf), incluir:
 
1) Título
2) Resumen (200 palabras, en castellano)
3) Palabras clave (en castellano)
 
Fecha límite para la recepción de resúmenes: 30 de agosto, 2013
Fecha límite para la recepción de ponencias: 18 de octubre, 2013
 
La propuesta será evaluada y se comunicará su aceptación antes del 15 de setiembre de 2013.
 
Costo de la inscripción
 
Aranceles
 
Expositores/as: Podrá abonarse en la inscripción durante el Coloquio
Nacionales $ 300
Nacionales Estudiantes $ 200
América Latina U$S 65
Otros U$S 100
 
Asistentes: Será abonado durante los días del Coloquio
Nacionales $ 150
Nacionales Estudiantes $ 100
América Latina U$S 20
Otros U$S 30
Información disponible en: http://cietp.blogspot.com.es/
 

Seminário Internacional Violências, Memórias e Justiças no tempo presente

Posted on

Divulgamos o Seminário Internacional a realizar-se no CES, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, no dia 21 de maio, 2013.

Programa:

10h00 – Apresentação: Maria Paula Meneses

10h15-11h30  | Estado, violências políticas, guerras e repressão: a política de produção, gestão e reconhecimento de memórias e vítimas/afetados
Chair: Silvia Maeso (CES)
Gabriel Gatti (UPV)
Margarida Calafate Ribeiro (CES)
11h30-12h00 Discussão

12h00-14h00 Almoço

14h00-15h30 | As histórias do depois
Chair: Catarina Gomes (CES)
Bruno Sena Martins (CES)
Sheila Khan (Universidade do Minho)
15h30-16h00 Discussão

Coffee Break

16h15-17h00 |  Arquivos, memórias e História na literatura e no cinema
Chair: Maria Paula Meneses (CES)
António Sousa Ribeiro (CES) [* a confirmar]
Fabrice Schurmans (CES)
Diana Andringa (CES)
Claúdio Tomás (U. Agostinho Neto/ISCTE)
Miguel Cardina (CES)

Para mais informações sobre atividades associadas ao Seminário, ver aqui: http://www.ces.uc.pt/eventos/index.php?id=7339&id_lingua=1

Colóquio Internacional Conhecimento e Ciência Colonial

Posted on

Divulgamos o Colóquio Internacional a decorrer em Lisboa na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, de 27 a 29 de novembro de 2013.

A chamada de abstracts termina a 5 de julho. Para mais informações ver http://coloquiocienciacolonial2013.wordpress.com/, onde se poderá fazer o download das instruções do envio.

Horizontes Antropológicos 41 – Antropologia e Políticas Globais Chamada de artigos

Posted on

Organizadores: Ondina Fachel Leal e Guilherme W. Radomsky

Data-limite para apresentação de artigos: 31 de agosto de 2013

Lançamento: junho de 2014

A proposta temática deste número de Horizontes Antropológicos abarca os subtemas: Antropologia das agências internacionais; regime global de propriedade intelectual, movimentos sociais e propostas alternativas; outros regimes globais e suas agendas na área de desenvolvimento, saúde e/ou meio ambiente e respectivas políticas públicas e gestões locais.

O objetivo é agregar trabalhos e constituir uma discussão antropológica que aborde o papel de agências multilaterais (tais como OMC, OMS, Banco Mundial, Fundo Global, entre outras) na formulação de regimes jurídicos e políticas globais e transnacionais; as diversas modalidades de cooperação internacional e desenvolvimento e o papel de agências ou fundações filantrópicas privadas com atuação internacional, a rede de organizações não governamentais que se constituem em torno destas, a assim chamada “global civil society”. O objetivo é o de problematizar os modos como diferentes organizações enfrentam os dilemas e assimetrias inerentes a este campo, e as desigualdades ou dinâmicas expressas em dicotomias tais como Norte e Sul; desenvolvimento/em desenvolvimento; e global e local.

Este número da revista Horizontes Antropológicos está aberto às diferentes possibilidades de abordagens e perspectivas antropológicas no tratamento do tema Políticas Globais, trabalhos na tradição etnográfica serão especialmente incentivados.

Link: http://www.ufrgs.br/ppgas/ha/

Comunicações Congresso de Filosofia Jovem, Granada.

Posted on

Informamos que já se encontram disponíveis on line os textos das comunicações que vão ser debatidas na mesa DESEO – ‘Descolonizar os desejos?’ – do 50º Congresso de Filosofia Jovem, Granada, 5-8 junho. http://horizontesdecompromiso.wordpress.com/pensar/deseo/comunicaciones-3/